SUSTENTABILIDADE URBANA

Os governos locais/regionais almejam criar comunidades atraentes e com qualidade de vida para seus habitantes. Este desafio é fundamental para seu crescimento e riqueza. Isto se aplica também ao desenvolvimento de condomínios e bairros, como espaços urbanos qualificados.

Já sabemos que os recursos naturais são limitados. Portanto, é imperativo que planejemos os espaços urbanos através da ótica da eficiência de recursos e da sinergia entre diferentes tecnologias e sistemas urbanos. Isto significa integrar energia, gerenciamento de lixo, água e esgotos, tráfego e transporte, planejamento do uso do solo, além de arquitetura e funções urbanas, para conseguir soluções mais eficientes e que conduzam à redução das emissões de carbono.

Estes são sistemas complexos e que se sobrepõem – e como tal, não devem ser tratados isoladamente. A melhor saída é a utilização de uma abordagem abrangente e sistêmica que atua na causa dos problemas, e nao apenas nos seus sintomas (“upstream x downstream”). Olhando para a cidade como um todo, encontraremos benefícios através de sinergias entre funções urbanas – transformando lixo em energia, ao invés de aterros e lixões, por exemplo. Isto tudo complementado pela abordagem do custo do ciclo de vida, onde o custo total da intervençõo refere-se ao custo inicial de implantação + custo do uso e manutenção + custo da destinação ao final de sua vida útil.

Nossa proposta é auxiliar governos locais e/ou investidores a desenvolverem espaços sustentáveis, dentro da abordagem acima, que tragam como resultado para seus habitantes qualidade de vida, e reduzida emissão de carbono e poluição. A mesma abordagem utilizada com sucesso por municípios como Whistler, Canmore e Halifax; e bairros como Hammarby (SE) e Vauban (GE), por exemplo.